segunda-feira, 30 de julho de 2007

OBSERVAÇÕES FINAIS.(14)



ATMOSFERA


Muitos problemas advêm de informações equivocadas e/ou tendenciosas. Existem os equívocos provocados pelos limites da ciência e da técnica em se compreender algumas questões, seja por se constituir em novos campos da ciência, ou por tratar se de fenômenos desconhecidos, o que implica em limitação técnica de mensurá-losadequadamente.


Tais limites, apenas o avanço da ciência pode permitir novas
leituras ou como querem os mais precavidos: “novas aproximações”. O modelo
atômico, os processos de evolução da vida e do planeta são bons exemplos, onde o
avanço da ciência pôs fim a duvidas, bem como criou novas.


Por outro lado, o uso da ciência como linguagem de manipulação, traz retrocessos sem igual, pois não
elucida as verdadeiras causas dos fenômenos, pois impõe a necessidade de ações
sem efeitos concretos sobre eles.


Isto leva prejuízos à imensa maioria e benefícios a
alguns que de fato detém o conhecimento dos fundamentos reais dos problemas.
Acreditamos que o parco, mas diverso conjunto de informações que presentamos sobre a problemática dos CFCs, torne possível desfazer algumas idéias duvidosas sobre o tema, abrindo assim um campo de questionamento, para tantos problemas evidenciados.


Outro aspecto importante desta temática, é que ela demonstra a necessidade do raciocínio interdisciplinar na sua compreensão, necessitando exercitar diálogos com varias áreas do conhecimento.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AYOADE, J. O. Introdução à climatologia para os trópicos. São Paulo: Difel, 1986.
FERREYRA, Eduardo. Ecologia: Mitos y Fraudes. FAEC, 2006. disponível em
http://www.cisle.org.mx/public/ecologia.htm. Acesso em abril 2006.
GUIRLET, M., KECKHUT, P., GODIN, S. and MEGIE, G.
Description of the long-term ozone data series obtained from different instrumental techniques
at a single location: The Observatoire de Haute-Provence. (43.9 ¡N, 5.7¡E), Ann. Geophys.2000.
Disponível em www.aero.jussieu.fr/themes/DCAM/. Acesso em novembro de 2006.
INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE). Índices teóricos da radiação UV-B,
para as cidades Brasileiras. 2006. http://www.dge.inpe.br/ozonio/radiauvb.htm. Acesso em Agosto
de 2006.
INTERGOVERNAMENTAL PANEL CLIMATIC CHANGE (IPCC). Cambio Climático 2001: Informe de
síntesis. 2001. Disponível em www.ipcc.ch. Acesso maio 2004.
INTERGOVERNAMENTAL PANEL CLIMATIC CHANGE (IPCC). La captación y el almacenamiento
de dióxido de carbono. 2005, Grupo Intergubernamental de Expertos sobre el Cambio Climático.
Disponível em www.ipcc.ch . Acesso em novembro de 2006. ISBN 92-9169-319-7
INTERGOVERNAMENTAL PANEL CLIMATIC CHANGE (IPCC). La protección de la capa de ozono y
el sistema climático mundial: Cuestiones relativas a los hidrofluorocarbonos y a los perfluorocarbonos.
PNUMA OMM, Grupo Intergubernamental de Expertos sobre el Cambio Climático y Grupo de
Evaluación Tecnológica y Econômica. 2005. disponível em www.ipcc.ch. Acesso em fevereiro de
2006. ISBN: 92-9169-318-9
KHRGIAN, A. K., KUZNETSOV, G.I. e KONDRATIEV, A.V.. Atmospheric Ozone, Ed. by D.I. Nasilov,
Izdatel'stvo Nauka, Moscou, 30-35, 1975.
LEGGT, JEREMY. Aquecimento Global (relatório Greenpeace). Rio de Janeiro: Ed. FGV, , 1992.
LOMBARDO, M. A. "O Processo de Urbanização e a Qualidade Ambiental: Efeitos Adversos do
Clima". Rev Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, IBGE, 52(4):161-lCC, 1990.
LUTGEN, Pierre. El Agujero de Ozono se Cierra. 2006
http://www.mitosyfraudes.org/Ozo/OzonoLutgen.html. acesso em abril de 2006.
McHUGH, C.A.; CARRUTHERS, D.J. & EDMUNDS, H.A. "ADMS-Urban: an air quality
management system for traffic, domestic and industrial pollution". Environment and Pollution, 8:
437-440, 1997.
Molina, M. J. and Rowland, F. S. Stratospheric sink for chlorofluoromethanes: chlorine atom
catalyzed destruction of ozone. Nature. 249, 810-4, 1974.
MOREIRA, Davidson e TIRABASSI, Tiziano. Modelo matemático de dispersão de poluentes na
atmosfera atmosfera: um instrumento técnico para a gestão ambiental. Ambiente & Sociedade –
Vol. VII nº. 2 jul./dez. 2004
NATIONAL AERONAUTICS AND SPACE ADIMISTRATION (NASA). Largest-ever ozone hole
observed over Antarctica. NASA Goddard Space Flight Center. 2001 Disponível em
http://www.gsfc.nasa.gov/gsfc/earth/environ/ozone/ozone.htm [Geo-2-017]. Acesso em agosto 2004.
Rowland, Sherwood. Un Nóbel explica el mayor problema ambiental. 2006. Disponível em
www.ambiental.net/noticias/cambioclimatico/CambioClimaticoRowlandEntrevista.htm. Acesso em
agosto 2006.
SALGADO-LABORIAU, M. L. História ecológica da Terra. São Paulo, Edgard blücher ltda, 1994.
STRAHLER, A. N. Geografia Física . Barcelona, Omega 1986.
UNEP. Report of the Twelfth Meeting of the Parties to the Montreal Protocol. UNEP Ozone
Secretariat. 2000b. Disponível em http://www.unep.org/ozone/12mop-9.shtml [Geo-2-019] . Acesso
setembro 2005.
UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME (UNEP). Action on Ozone. Nairobi, 2000.
Disponível em www.unep.org. Acesso em agosto 2003.
WORLD METEOROLOGICAL ORGANIZATION (WMO). Antarctic Ozone Bulletin. Geneva, World
Meteorological Organization, 2000. disponível em www.who.org Acesso em novembro de 2000.
WORLD METEOROLOGICAL ORGANIZATION (WMO). Report of the International Conference on
the Assessment of the Role of Carbon Dioxide and of Other Greenhouse Gases in Climate Variations
and Associated Impacts. Villach, 9-15 October 1985 Geneva, 1986. Disponível em www.who.org .
Acesso em Novembro 2005.
WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Guidelines for Air Quality. Geneva, 1999. Disponível
em www.who.org/air_quality. Acesso em julho de 2003.
Obs.: Agradecemos quaisquer criticas e contribuições ao trabalho ora apresentado


Copiado do PDF:
http://www.geoambiente.ufba.br/OZONIO.pdf

Nenhum comentário: